-->
Home | Oil & Gas | Etanol de milho sustenta produção do hidratado do centro-sul em 24/25, diz StoneX
Postado em 5 de fevereiro de 2024 | 18:06

Etanol de milho sustenta produção do hidratado do centro-sul em 24/25, diz StoneX

A produção de etanol hidratado, consumido diretamente pelos veículos no Brasil, deverá ficar praticamente estável na safra 2024/25 do centro-sul, somando 20 bilhões de litros, graças a um avanço nos volumes do combustível fabricado a partir do milho, já que a safra de cana tende a recuar na nova temporada, de acordo com números divulgados nesta quarta-feira pela consultoria StoneX.

A produção de hidratado de milho deverá crescer 30,2% para 5 bilhões de litros, enquanto a fabricação do mesmo tipo de combustível a partir da cana deverá cair 7,8%, para 15 bilhões de litros, também com usinas de cana destinando mais matéria-prima para produzir açúcar, com preços mais interessantes do que o combustível.

Mesmo com a queda da fabricação de etanol hidratado de cana, a produção total (considerando o milho) ficaria quase estável na comparação com os 20,1 bilhões de litros da safra anterior (2023/24), que se encerra em abril no centro-sul, principal região produtora do país.
A StoneX vê ainda uma queda de 6,8% na produção de etanol anidro de milho, para 2,2 bilhões de litros, assim como redução 14,2% para o mesmo combustível de cana, a 9,5 bilhões de litros.

anidro é utilizado na mistura de 27% com a gasolina vendida nos postos. Esta tem tido menor demanda, considerando a maior competitividade do etanol hidratado nos últimos meses, em meio à grande safra e estoques formados pelo setor em 2023/24.
“Os estoques de passagem (de etanol) devem ser recordes no final de março”, ressaltou o analista da StoneX Marcelo Filho, à Reuters.

Isso deve ajudar o setor a atender um aumento de 4,5% da demanda no ciclo Otto (gasolina/etanol) na temporada 2023/24, para 43,6 bilhões de litros, segundo números da StoneX.

“Então, com estoque elevado e os preços do açúcar muito mais atrativos, paridade abaixo de 70% no centro-sul por longos meses, a demanda deve crescer, mas a oferta não, porque o setor dá conta”, acrescentou.

Relatório da consultoria divulgado nesta quarta-feira lembrou que o setor da destilação do etanol pelo milho vem crescendo “exponencialmente” na região Centro-Oeste do Brasil, e deve ganhar cada vez mais espaço no mercado alcooleiro do país.

“Se concretizada a estimativa, o etanol produzido a partir do milho terá uma participação de 22,7% no total, cerca de 4,0 pontos percentuais acima do projetado para a safra 2023/24″, disse.

Questionado se uma queda esperada para a segunda safra de milho do Brasil este ano poderia afetar planos das usinas que usam o cereal, o analista disse não acreditar nesta hipótese.

“Por ora não, porque a produção continuará elevada e a demanda por milho pra etanol não compromete tanto outros mercados do milho… Ou seja, mesmo que produza um pouco menos, o Brasil pode por exemplo exportar um pouco menos ao invés de deixar de ofertar milho para etanol“, disse.

Ele ressaltou também que as usinas compram seus estoques de milho antecipadamente, “a maioria até com mais de um ano de antecedência”.

SAFRA DE CANA MENOR

A moagem de cana do centro-sul do Brasil foi estimada em 622,1 milhões de toneladas em 2024/25, redução de 1% na comparação com a previsão divulgada em novembro, devido um baixo volume de chuvas em dezembro e janeiro, o que deve impactar a produtividade do canavial na nova safra, segundo avaliação da consultoria StoneX publicada nesta quarta-feira.

A se confirmar a previsão para a safra, com o início oficial em abril, a principal região produtora de cana do Brasil teria queda de 5,4% na moagem ante a registrada na temporada 2023/24, que marcou um volume recorde.

Já a produção de açúcar do centro-sul do Brasil, maior produtor e exportador do adoçante, foi estimada ainda em recorde de 43,1 milhões de toneladas, com uma leve redução ante a previsão anterior (43,2 milhões de toneladas). Isso significaria uma alta de 1% contra o ciclo passado, segundo números da consultoria.

Isso deve ser possível porque o “mix” de destinação de cana na moagem seguirá mais açucareiro em 2024/25, estimado em 52%, versus 51,4% na previsão anterior, ante 49% na safra anterior, prevê a StoneX, citando maior atratividade do adoçante.

Já a produção total de etanol (anidro e hidratado) do centro-sul, incluindo o combustível feito a partir do milho, foi estimada em 31,7 bilhões de litros em 2024/25, ante 32,2 bilhões na previsão anterior, com uma queda de 5,5% versus o ciclo anterior, segundo o relatório.

 

 

 

Fonte: Reuters


106 queries in 4,125 seconds