-->
Home | Opinião | Qual a fórmula para que o setor logístico tenha mais eficiência?
Postado em 3 de maio de 2024 | 17:01

Qual a fórmula para que o setor logístico tenha mais eficiência?

Apesar de 2024 estar se desenhando como um ano promissor na economia, a boa performance do setor dependerá de redução de custos, melhora de níveis de serviço e operações mais sustentáveis.

A baixa produtividade é um dos maiores — se não o principal — entraves para o crescimento sustentável do Brasil. O setor logístico é um grande exemplo dessa ineficiência.

No Brasil, os custos logísticos saltaram de 12,3% do PIB em 2017, para 13,7%, em 2022. Na comparação com países desenvolvidos, o Brasil perde feio: nos Estados Unidos, o custo logístico não passa de 8%, segundo levantamento do Instituto de Logística e Supply Chain (ILOS).

Com custos elevados, o setor acaba sendo um entrave para nosso crescimento sustentável e mais um ponto negativo do famoso “Custo Brasil.”

A conta pesa para embarcadores, operadores logísticos, transportadores, distribuidores, varejistas e consumidores. Os gargalos logísticos brasileiros elevam o custo final dos produtos em até 8%.

Soma-se a elevada fatia do peso dos combustíveis no custo total, o custo de produção e manutenção de estoques e a pouca infraestrutura nas rodovias. Enquanto esses problemas persistirem, associados à alta carga tributária e ao excesso de burocracia, a aposta mais adequada para o setor está na tecnologia.

Apesar de 2024 estar se desenhando como um ano promissor na economia, especialmente com a queda dos juros e um crescimento econômico acima do esperado, a boa performance do setor dependerá da superação de três grandes desafios: redução de custos, melhora de níveis de serviço e operações mais sustentáveis.

CRESCER MAIS GASTANDO MENOS

A produtividade no setor de transportes no Brasil equivale a cerca de um quinto do sistema logístico norte-americano, aponta a Confederação Nacional dos Transportes (CNT). Mas esse problema está longe de ser o único — toda a cadeia logística enfrenta gargalos.

A gestão de pátios e de armazéns tem entraves que comprometem o fluxo das operações, resultando em problemas na ponta — atrasos na entrega e insatisfação dos clientes.

Para crescer mais gastando menos é fundamental melhorar a eficiência end-to-end, não apenas da porta para dentro, mas automatizando a relação com os diferentes stakeholders da cadeia de Supply Chain.

Uma pesquisa recente revela que, no Brasil, 42,9% das empresas contam com três ou mais softwares de gestão logística e 71,5% fazem investimentos em tecnologia. Ainda é muito pouco diante de um cenário tão complexo.

Para Vasco Oliveira, fundador e CEO da nstech — maior plataforma Open Logistics do mundo —, a redução dos custos na logística requer a consolidação dos sistemas de gerenciamento de transporte e de armazéns, como o TMS (Transportation Management System) e o YMS (Yard Management System).

“Reduzir custos, melhorar a produtividade e evitar danos ao meio ambiente só é viável com tecnologias que agilizem os processos de carga e descarga para melhorar a gestão e a segurança das viagens,” disse Vasco Oliveira, executivo com mais de 26 anos de experiência em Supply Chain e ex-presidente da Associação Brasileira dos Operadores Logísticos (ABOL).

O PODER DA INTEGRAÇÃO: SOLUÇÕES PARA GESTÃO LOGÍSTICA

Ferramenta completa para a gestão de transportes, o TMS tem funcionalidades para embarcadores e transportadores. Já a gestão, controle de acesso e automação de pátios e terminais são feitos perfeitamente por um sistema YMS.

TMS EMBARCADOR

O TMS integrado end-to-end para grandes embarcadores da nstech é o único com emissão automatizada de documentos, oferta de cargas, montagem, precificação e auditorias de frete, agendamento de entregas e coletas, roteirização, gestão de pátrio e acompanhamento das entregas num só lugar.

O TMS embarcador acaba sendo uma pré-condição para uma torre de controle moderna e online.

TMS TRANSPORTADOR

Para o transportador, o TMS é ferramenta principal e imprescindível. Além de centralizar os processos, oferece ampla visibilidade e controle, facilitando a tomada de decisão. Outra vantagem é a segurança de dados e a gestão total das viagens.

No Brasil, cerca de 40% da frota circula vazia, o que gera custos adicionais e impacta na rentabilidade.

“Desde que adotou o TMS da nstech, a Motz Transportadora Digital potencializou a receita, passou a gerenciar melhor seus processos e a emitir a documentação de transporte de forma muito mais integrada e ágil. Em média, são 50 mil documentos emitidos por mês com uma equipe bem enxuta,” explicou Leopoldo Suarez, head de TMS para grandes prestadores de serviços logísticos da nstech.

YMS PARA PÁTIOS E ARMAZÉNS

Considerada uma revolução na gestão de áreas de manobra e pátios de armazenamento, o YMS é essencial para as operações diárias de armazéns. Com a ferramenta, a Citrosuco, uma das maiores empresas de suco de laranja do mundo, conseguiu reduzir em 25% o tempo médio de permanência dos veículos em operação, e aumentou de 38% para 98% do índice de pontualidade na operação.

A solução da nstech aumenta a previsibilidade e a autonomia, faz o planejamento das operações com base nas programações de carga e descarga, eleva a transparência e gerencia a execução de cada processo com medição de tempos. Outras funcionalidades do YMS são o checklist do motorista, totem de autoatendimento para acesso dos veículos ao pátio e automação de gates.

Além disso, a plataforma verifica e garante a conformidade de cada etapa, eliminando trabalhos manuais e reduzindo custos drasticamente.

 

 

Fonte: Mundo Logstica


98 queries in 2,756 seconds