-->
Home | Opinião | O Brasil é uma ameaça para a OPEP?
Postado em 28 de janeiro de 2021 | 18:05

O Brasil é uma ameaça para a OPEP?

Já no início da década de 1980, a Petrobras, assim como o governo, estavam cientes da vasta riqueza petrolífera inexplorada presa sob as camadas do pré-sal no Oceano Atlântico. Os consideráveis ​​obstáculos tecnológicos e operacionais associados à extração de petróleo em águas ultraprofundas e ao aproveitamento da espessa crosta do pré-sal impediram que esses recursos de petróleo fossem explorados comercialmente.

Em 2005, a Petrobas renovou seu foco nas bacias de petróleo offshore do pré-sal do Brasil e começou a fazer descobertas de petróleo significativas na Bacia de Santos. Mesmo assim, as dificuldades técnicas e as altas despesas operacionais fizeram muitos analistas duvidar que as descobertas do pré-sal acabariam por conduzir o florescente boom do petróleo que agora está sendo testemunhado.

A emergência do Brasil como uma grande nação produtora de petróleo global é outro desafio para um cartel de petróleo da OPEP, que desde os anos 1980 viu sua influência sobre os preços do petróleo e o poder geopolítico declinar continuamente. A participação de mercado da OPEP diminuiu substancialmente nos últimos anos, apesar da expansão da produção global de petróleo em um ritmo sólido e da Arábia Saudita não ser mais o maior produtor mundial de petróleo. Os EUA presumiram esse manto em 2018, quando a produção de petróleo em terra explodiu devido ao boom do petróleo de xisto.

As enormes descobertas de petróleo do pré-sal no Brasil aumentaram substancialmente suas reservas e produção de petróleo, permitindo que a maior economia da América Latina declarasse autossuficiência energética em 2006. Desde então, apesar dos pessimistas, o boom do petróleo no Brasil continua a se expandir continuamente.

O país latino-americano é agora o maior produtor de petróleo da região e o oitavo maior globalmente, atrás do Iraque e dos Emirados Árabes Unidos, mas à frente do Irã e do Kuwait. O Brasil bombeou em média (português) mais de 2,9 milhões de barris de petróleo bruto por dia durante 2020, dos quais 69%, ou cerca de 2,6 milhões de barris, vieram de seus campos offshore de petróleo pré-sal em águas ultraprofundas.

A Agência Internacional de Energia, em seu relatório de março de 2020, projetou que a capacidade global de produção de petróleo bruto se expandirá em 5,9 milhões de barris de óleo equivalente por dia até 2025, com 76% desse valor vindo de países não pertencentes à OPEP. O mais proeminente são os EUA por causa do boom do óleo de xisto, seguidos pelo Brasil e pela Guiana.

Na verdade, a IEA espera que o Brasil entregue “ganhos impressionantes” nos próximos quatro anos. Esses números ilustram quão significativamente a participação de mercado da OPEP deverá diminuir, corroendo ainda mais sua capacidade de controlar os preços do petróleo e, portanto, o poder geopolítico. O declínio acentuado na capacidade do cartel de manipular os preços do petróleo é destacado pela crescente influência exercida pela Casa Branca sobre a OPEP e os preços do petróleo bruto, notadamente desde 2018.

Parece que há pouco que possa impedir o boom do petróleo no Brasil. A pandemia COVID-19 teve pouco ou nenhum impacto material na produção, nem os preços do petróleo mais fracos. Isso é enfatizado pela empresa nacional de petróleo Petrobras, relatando produção recorde de petróleo de 2,28 milhões de barris diários em 2020. Um dos principais motivos é a economia favorável dos campos de petróleo do pré-sal no Brasil. Os preços de equilíbrio, apesar dos significativos obstáculos tecnológicos e operacionais associados à perfuração em águas ultraprofundas, são mais baixos do que para o xisto dos EUA, que o Federal Reserve Bank de Dallas estima em média de $ 46 a $ 52 por barril.

Alguns analistas projetam que as operações offshore do Brasil atingem o ponto de equilíbrio abaixo de US $ 35 por barril, enquanto a Petrobras afirma que suas operações do pré-sal têm um preço de equilíbrio potencial de US $ 19 o barril extremamente baixo. Isso torna esses ativos lucrativos, mesmo com o Brent sendo negociado a cerca de US $ 55 por barril, aumentando sua atratividade para a Petrobras e outras grandes empresas globais de energia. Isso é ainda reforçado pela popularidade crescente do petróleo bruto de grau médio doce produzido nos campos de petróleo do pré-sal do Brasil.

O aumento da demanda das refinarias asiáticas fez com que a participação de mercado do Brasil na China disparasse, em detrimento de vários membros da OPEP. De janeiro a novembro de 2020, as exportações de petróleo do Brasil para a China cresceram 8% ano a ano para pouco mais de 40 milhões de toneladas de petróleo bruto, tornando o maior produtor de petróleo da América Latina o quarto maior fornecedor de petróleo bruto, atrás do Iraque e à frente de Angola.

A crescente demanda da China por óleo bruto doce do pré-sal de grau médio do Brasil, Lula e Búzios, fez com que fossem vendidos com um prêmio para o Brent na Ásia. A China é responsável por receber 70% das exportações de petróleo do Brasil e esses números continuarão crescendo.

O impacto do IMO2020, que limita substancialmente o teor de enxofre do combustível marítimo de bunker, juntamente com a posição da China como um centro de embarque global e o maior exportador do mundo significa que a demanda por petróleo bruto brasileiro com baixo teor de enxofre permanecerá forte. O impulso global para combustíveis com teor de enxofre extremamente baixo pesará sobre a demanda por petróleo bruto saudita.

A variedade árabe light, que de acordo com a EIA dos EUA representa cerca de 70% da produção de petróleo saudita, é, como a maioria dos tipos de petróleo bruto do Reino, particularmente ácida com um alto teor de enxofre de 1,77%. Isso torna mais caro e difícil o processamento em combustíveis de alta qualidade e com teor de enxofre extremamente baixo do que as variedades de óleo cru brasileiro Lula e Búzios.

A decisão de Riyadh de cortar os preços de exportação, como parte de sua campanha para recuperar participação de mercado, foi responsável por um aumento nas exportações de petróleo para a China em novembro de 2020, que viu a Arábia Saudita reconquistar o primeiro lugar como maior fornecedor de petróleo bruto da China. A surpresa de Riyadh com um corte de produção de um milhão de barris por dia está criando um buraco no mercado que forçou os refinadores asiáticos a lutar por outras fontes de abastecimento.

É o Brasil, por causa de sua crescente produção de petróleo bruto doce compatível com a IMO, que está em uma posição ideal para preencher a lacuna, proporcionando assim mais impulso para o boom do petróleo.

A última reunião da OPEP Plus destacou as divergências crescentes entre os membros e aliados Rússia e Cazaquistão quanto ao corte da produção de petróleo. Como um gesto de boa vontade, a Arábia Saudita optou por arcar com a maior parte do fardo cortando um milhão de barris por dia de sua produção de petróleo para compensar a maior produção da Rússia e do Cazaquistão para impulsionar os preços do petróleo. Esses desenvolvimentos ressaltam a crescente impotência da OPEP para controlar os preços do petróleo bruto sem perder participação de mercado em face do rápido crescimento da oferta de petróleo não pertencente à OPEP.

 

 

 

 

Fonte: O Petróleo


152 queries in 7,036 seconds