-->
Home | Opinião | Indústria do etanol ganha apoio de um antigo inimigo nos EUA: o setor de petróleo
Postado em 15 de fevereiro de 2024 | 18:46

Indústria do etanol ganha apoio de um antigo inimigo nos EUA: o setor de petróleo

Indústria do etanol ganha apoio de um antigo inimigo nos EUA: o setor de petróleo.

Grandes petroleiras se uniram ao agronegócio em um esforço para expandir o uso do biocombustível diante do surgimento dos veículos elétricos

Após décadas de pressões contra a expansão do uso de etanol nos carros dos Estados Unidos, as grandes petroleiras estão se unindo à agricultura em um esforço para expandir o uso do biocombustível, que no país é feito à base de milho.

Os antigos adversários têm encontrado mais pontos em comum à medida que o crescimento dos veículos elétricos ameaça reduzir a demanda por gasolina.

As gigantes dos combustíveis fósseis também aumentaram os investimentos em fontes renováveis em busca de incentivos governamentais para reduzir as emissões e combater as mudanças climáticas.

“Hoje é um mundo diferente”, disse Bruce Rastetter, fundador do Summit Agricultural Group. “É uma mudança radical das empresas petrolíferas, que agora trabalham com o setor de biocombustíveis para descarbonizar o tanque de gasolina.”

A maior parte da gasolina vendida nos Estados Unidos contém 10% de etanol, conhecido no país como E10. No entanto, a venda de misturas mais altas de 15%, ou E15, durante os meses de verão geralmente é proibida sem uma abertura da Agência de Proteção Ambiental dos EUA.

O American Petroleum Institute – o poderoso lobby do petróleo – se uniu à National Corn Growers Association e a outros grupos para apoiar um projeto bipartidário do senador republicano Deb Fischer, de Nebraska, que permitiria a venda de E15 o ano todo no país. A legislação também preservaria o acesso a misturas mais baixas.

A colaboração é a maior até o momento entre os dois lados e muda a face do lobby de energia no Congresso enquanto defendem combustíveis renováveis líquidos.

“Estamos ombro a ombro nisso”, disse Will Hupman, vice-presidente de política da API. “Historicamente, isso não tem sido a coisa mais fácil de se fazer”.

Histórico combativo

Os produtores de petróleo dos Estados Unidos têm se oposto aos agricultores desde os tempos do Model T, quando Henry Ford declarou o etanol – o álcool encontrado em vinho, cerveja e destilados – o combustível do futuro. Mas o magnata do petróleo John D. Rockefeller e a era da Lei Seca traçaram um caminho diferente para a indústria automobilística.

O governo dos EUA começou a incentivar o uso de etanol no final dos anos 1970, após a crise do petróleo, quando o presidente Jimmy Carter pediu aos líderes do agronegócio que produzissem etanol como forma de reduzir a dependência do petróleo.

A Archer-Daniels-Midland (ADM) começou a produção em 1978. Após os ataques terroristas de 2001, que intensificaram as preocupações com a segurança energética, o Congresso estabeleceu a obrigação da mistura de etanol e outros biocombustíveis no fornecimento nacional.

Isso gerou um debate contínuo. Produtores de petróleo argumentam que a mistura traz maiores custos de refino, colocando empregos em risco e aumentando os preços na bomba de gasolina.

A disputa também provocou conflitos sobre a poluição no verão. Uma lei federal de ar limpo bloqueia as vendas de E15 na maior parte dos EUA de junho a meados de setembro, quando o calor do verão aumenta a evaporação, aumentando a possibilidade de formação de fumaça emitida da queima de combustíveis.

Mas a ascensão dos carros elétricos ameaça reduzir o consumo de combustíveis líquidos, aproximando os grupos do petróleo e do agronegócio.

O governo Biden estabeleceu como meta que metade dos veículos vendidos nos EUA sejam elétricos até o final da década.

Embora os carros elétricos até agora não tenham causado um grande impacto na demanda global de combustíveis, a BloombergNEF estima que a substituição do consumo de petróleo por veículos elétricos aumentará para mais de 20 milhões de barris por dia até 2040.

Defensores do etanol, como o secretário de Agricultura dos EUA, Tom Vilsack, promovem os biocombustíveis como uma arma significativa para ajudar a reduzir as emissões de carbono, observando que levará décadas ou mais para a frota de carros de passeio ser totalmente elétrica.

A API e outros grupos petrolíferos veem que o projeto de lei de Fischer traz certeza de longo prazo ao mercado, evitando potenciais interrupções no fornecimento e turbulências.

Esse caminho alternativo, oferecido por governadores do Meio-Oeste, forçaria a EPA a aplicar requisitos de poluição do ar de forma igual para E10 e E15, permitindo vendas da mistura mais alta, mas efetivamente obrigando um combustível menos evaporativo nesses estados.

O governo Biden está a caminho de aprovar a mudança dentro de meses, apesar das preocupações de que isso criaria uma série de regras desiguais e exigiria a construção de uma infraestrutura cara.

Junto com a API e os produtores de milho, o apoio ao projeto de Fischer se estende por todo o espectro político. A coalizão inclui a Renewable Fuels Association e a Growth Energy, além de várias organizações de agricultores e grupos que representam distribuidores de combustíveis e postos de gasolina.

“Esta é a primeira vez que me lembro em 20 anos que todas essas partes interessadas se uniram e fizeram lobby ativo em prol de um interesse comum”, disse Geoff Cooper, chefe da RFA.

No entanto, o esforço enfrenta obstáculos significativos, incluindo a resistência de refinarias independentes mais expostas aos custos para se adaptar aos biocombustíveis.

A Fueling American Jobs Coalition, que representa trabalhadores sindicais e refinarias independentes de petróleo, deseja combinar o acesso ao E15 no ano todo com limites nos custos dos créditos usados para cumprir as cotas anuais de biocombustíveis.

O projeto de lei atual só enriqueceria as grandes empresas petroleiras integradas em detrimento das refinarias independentes, argumenta o grupo.

A medida conta com o apoio de alguns legisladores dos estados petrolíferos, incluindo o senador Roger Wicker, do Mississippi, um republicano que, em 2013, estava entre os legisladores que lutaram para limitar as misturas de etanol a 10%.

Brooke Appleton, vice-presidente de política pública da National Corn Growers Association, disse que, se o esforço deles for bem-sucedido, ela espera que os grupos do petróleo e do agronegócio possam se unir em outras questões. “Temos muito mais em comum do que provavelmente pensávamos”.

 

 

 

Fonte: Kim Chipman e Jennifer A. Dlouhy


107 queries in 4,314 seconds