-->
Home | Oil & Gas | Real do Brasil atinge baixa de 4 meses em temores de política populista
Postado em 3 de março de 2021 | 18:41

Real do Brasil atinge baixa de 4 meses em temores de política populista

Ações de bancos brasileiros caem após relatório de impostos mais altos * Real perplexo com intervenção do banco central (adiciona detalhes, atualiza preços) Por Susan Mathew e Ambar Warrick 2 de março (Reuters) – Real brasileiro despencou para uma baixa de quatro meses na terça-feira, depois que uma ação governamental para conter os preços dos combustíveis levantou preocupações sobre uma mudança para políticas populistas, enquanto outras moedas latino-americanas permaneceram no limite com os altos rendimentos dos títulos.

O real despencou 1,4% depois que o presidente Jair Bolsonaro disse que publicaria um decreto na terça-feira suspendendo o imposto sobre o óleo diesel, uma medida que visa aplacar os caminhoneiros que ameaçaram fazer greve. Fontes também disseram à Reuters que, em vez disso, o governo aumentaria os impostos sobre o lucro líquido dos bancos de 20% para cerca de 23%, para compensar a receita perdida.

Ações de alguns dos maiores bancos do país, como o Itaú Unibanco, Bradesco e Banco Santander Brasil, perderam entre 0,1% e 1%, enquanto o índice da Bovespa ficou deprimido, tendo atingido a baixa de mais de três meses na sessão. O banco central do Brasil interveio no mercado de câmbio à vista pela quinta vez em quatro dias na terça-feira para apoiar a moeda, que foi negociada pela última vez a 5,68 por dólar. Os temores de medidas políticas populistas aumentaram desde que Bolsonaro demitiu o presidente-executivo da estatal Petrobras, em fevereiro, por causa de divergências sobre os preços dos combustíveis, e ameaçou interferir em outros setores da economia.

“O fluxo geral de notícias desde a semana passada não é favorável para uma ação de preço positiva nos mercados (do Brasil)”, disseram estrategistas Latam do Citi Research. “O otimismo dos investidores permanecerá reprimido após a intromissão do governo para evitar um aumento nos preços dos combustíveis, e a potencial diluição das medidas compensatórias na conta de emergência. Assim, temos um viés negativo para os preços dos ativos no curto prazo.

“O governo brasileiro está considerando estender um programa de ajuda emergencial ao coronavírus em meio a preocupações de violação do limite de gastos do governo – uma questão que pesa sobre os ativos brasileiros. Preocupações com uma variante local do coronavírus também prejudicou os ativos brasileiros recentemente, com cientistas alertando que ele pode reinfectar pessoas que já se recuperaram da doença. A maioria das outras moedas na América Latina caiu em relação a um dólar estável a mais alto, em linha com os pares de mercados emergentes mais amplos, como as preocupações com o aumento dos rendimentos dos títulos persistiram.

O peso do Chile caiu 0,9%, enquanto o peso da Colômbia caiu 1%. Ações e títulos de mercados emergentes registraram entradas líquidas de cerca de US $ 31. 2 bilhões em fevereiro, embora o aumento das taxas de juros nos EUA tenha desencadeado uma desaceleração durante a semana passada, dados do Instituto de Finanças Internacionais mostraram na terça-feira.

Ainda assim, outras ações da América Latina se recuperaram das perdas recentes, com as ações ainda sendo vistas como as mais preparadas para se beneficiar de uma recuperação econômica este ano. Principais índices de ações e moedas da América Latina: Última variação% diária MSCI Emerging Markets 1362,23 -0,02 MSCI LatAm 2225,75 -0,46 Brasil Bovespa 110191,37 -0,13 México IPC 45722,51 2,09 Chile IPSA 4706,93 1,5 Argentina MerVal 48144,56 -1,738 Colômbia COLCAP 1350,41% diário mudança real do Brasil 5,6817 -1,42 Peso mexicano 20,6375 0,01 Peso chileno 728,7 -0,93 Peso colombiano 3654,5 -1,00 Peru sol 3,6657 -0,27 Peso argentino 90,1500 -0,07 (interbancário) (Relatório de Susan Mathew e Aaron Saldanha em Bengaluru.

 

 

Fonte: O Petróleo


141 queries in 3,604 seconds