-->
Home | Oil & Gas | Primeira instalação para combustíveis neutros em carbono do mundo inicia produção no Chile
Postado em 23 de dezembro de 2022 | 12:04

Primeira instalação para combustíveis neutros em carbono do mundo inicia produção no Chile

Foi iniciada a produção da primeira instalação totalmente integrada para fabricação de combustíveis sintéticos e neutros em carbono do mundo. A planta Haru Oni, próxima à cidade de Punta Arenas, no sul do Chile, combina energia eólica, água e CO2 para gerar e-Methanol e, por fim, gasolina neutra em carbono a partir de eletricidade.

A Siemens Energy foi responsável pelo design da instalação e liderou o sistema de integração da planta piloto da HIF Global em colaboração com a Porsche e outros parceiros envolvidos no projeto. O começo da produção dos primeiros e-Fuels (eletrocombustíveis ou combustíveis sintéticos) é um passo adiante essencial na descarbonização do setor de transportes, especialmente em segmentos que são difíceis ou impossíveis de eletrificar, caso do transporte marítimo, aviação ou mesmo dos carros a combustão interna ainda em uso.

“O projeto Haru Oni visa demonstrar que os e-Fuels podem ser trazidos para o mercado em amplas quantidades e a preços competitivos. Cria a fundação para trazer energia verde para áreas que ainda estão pesadamente dependentes dos combustíveis fósseis. Essa é uma chave para alcançar os objetivos climáticos do setor de transportes. O conhecimento adquirido a partir desse projeto também ajudará a desenvolver soluções favoráveis ao clima em muitas outras aplicações”, afirmou Anne-Laure de Chammard, membro do Conselho Administrativo da Siemens Energy.

Em março de 2023, a planta será concluída em menos de dois anos na província de Magalhães, na região sul da Patagônia chilena. Enquanto co-desenvolvedora e integradora de sistemas, a Siemens Energy exerceu papel no desenvolvimento desse projeto vanguardista. O hidrogênio, a base para o processo de sintetização dos combustíveis, é produzido em um eletrolisador da Siemens Energy e a turbina eólica da planta é da Siemens Gamesa.

O grande desafio do projeto foi combinar as etapas de produção dos combustíveis sintéticos, que antes só haviam sido testadas individualmente, e coordenar isso pela primeira vez em uma cadeia de produção eficiente e sem problemas. Esta integração é a base para a construção da produção de e-Fuel. A expectativa é que o sistema produza 130 mil litros de combustível sintético por ano ainda em 2023. Após a fase piloto, o primeiro escalonamento tornará o projeto no Chile capaz de produzir 55 milhões de litros por ano até a metade da década e, cerca de dois anos depois disso, a projeção de capacidade é de 550 milhões de litros por ano.

O projeto tira vantagem do vasto potencial para energia renovável da Patagônia para alavancar o mercado de hidrogênio e, por consequência, a transição energética na Europa e ao redor do mundo. Os fortes ventos da região oferecem mais de 6 mil horas de carga máxima de operação para a geração de eletricidade verde, cerca de três vezes a quantidade disponível na Europa. A energia eólica é armazenada em carregadores na forma de energia líquida utilizando o processo Power-to-X. Os líquidos gerados são fáceis de serem transportados de regiões ricas em geração renovável para lugares com demanda por energia. Deste modo, o projeto está fazendo um trabalho pioneiro e pode servir de exemplo para outras partes do mundo. A iniciativa tem suporte do Ministério Federal para Assuntos Econômicos e Proteção Climática da Alemanha, que, em 2020, teve Haru Oni como o primeiro projeto de hidrogênio a ser financiado pelo governo alemão dentro de sua estratégia nacional de hidrogênio.

O projeto também é o primeiro a aplicar a solução de Certificação de Energia Limpa, desenvolvida pela empresa de ensaios técnicos sem fins lucrativos TÜV Süd e a Agência Alemã de Energia (DENA), em colaboração com a Siemens Energy. O certificado digital de Haru Oni é uma documentação à prova de falsificação que legitima que os combustíveis sintéticos gerados na planta podem ser chamados de “verdes”. Para que um produto receba esse certificado, a pegada de carbono é verificada pela primeira vez em toda cadeia de produção — no caso dos e-Fuels, da turbina ao abastecimento do tanque dos veículos. A e-Gasolina da planta chilena cumpre os requisitos da União Europeia para combustíveis sustentáveis.

 

 

 

Fonte: Portos e Navios


102 queries in 17,197 seconds