-->
Home | Oil & Gas | Pandemia vai afetar resultados das grandes empresas de Petróleo no primeiro semestre
Postado em 28 de julho de 2020 | 17:13

Pandemia vai afetar resultados das grandes empresas de Petróleo no primeiro semestre

As grandes empresas de petróleo estão próximas, como é tradicional, a divulgarem seus resultados trimestrais. Mas o mercado já espera que os números que serão mostrados serão de entortar a cara de qualquer investidor, principalmente se esete investidor tiver muitas ações das companhias. E pelo andar da carruagem, não sobrará ninguém. Os resultados não devem ser bonitos, em função do auge da pandemia no mundo, quando o consumo de derivados de petróleo  desabou em todo mundo, principalmente os combustíveis. São esperadas perdas para as gigantes como BP, Chevron, Eni, Exxon Mobil, Shell,  Total e Pemex.

As empresas dos  Estados Unidos e  da Europa vão reportar os  prejuízos no segundo trimestre, depois de os  lockdowns em aguns países,  relacionados à pandemia de coronavírus, que  destruírem a demanda por combustíveis, que afetaram diretamente os preços do petróleo.  Prejuízos também em função  do colapso nos preços da energia e uma queda de demanda para níveis nunca vistos há décadas, que criaram uma turbulência de alto grau  para empresas que produzem, refinam, comercializam e vendem combustíveis.

Durante outras quedas significativas dos preços, os resultados das companhias produtoras de petróleo foram impulsionados pelas operações de refino, cujas ccdddcdcmargens tendem a se beneficiar dos preços baixos e fornecer um hedge interno. Com a paralisação de viagens e empresas em função,  as margens para produtos refinados, como gasolina, diesel e querosene, afundaram para o negativo. Agumas tradings conseguiram ganhar  dinheiro mesmo quando os preços despencaram, explorando os movimentos voláteis do mercado.

Os Valores de referência do petróleo, Brent e WTI acumulam queda de cerca de um terço até este momento do ano, depois de recuarem cerca de 66% no primeiro trimestre e saltaram 81% e 92%, respectivamente, entre abril e junho. BP e Shell já reduziram suas projeções para o preço do petróleo no longo prazo, realizando provisões, respectivamente, de 13 bilhões a 17,5 bilhões de dólares e de 15 bilhões a 22 bilhões de dólares no segundo trimestre. A Shell  indicou um prejuízo pela primeira vez na história cima  de 670 milhões de dólares. Na Equinor,  a divisão de trading  foi o único departamento da empresa a gerar lucro  antes de impostos no segundo trimestre. A divisão se beneficiou em contratos com  preços do petróleo para entrega imediata mais baratos que os de contratos de prazos mais longos.

 

 

Fonte: Petro Notícias


150 queries in 4,789 seconds