-->
Home | Oil & Gas | Laboratório nuclear dos Estados Unidos acelera pesquisa para produzir hidrogênio como combustível
Postado em 18 de novembro de 2020 | 21:16

Laboratório nuclear dos Estados Unidos acelera pesquisa para produzir hidrogênio como combustível

O Departamento de Energia dos Estados Unidos  concedeu cerca  de US$ 14 milhões para construir uma instalação de produção de hidrogênio em uma usina nuclear de Minnesota, com a ajuda de um laboratório de pesquisa nuclear em Idaho. O Laboratório Nacional de Idaho e a Xcel Energy, com sede em Minneapolis, trabalharão na concepção e construção da instalação, provavelmente na Estação de Geração Nuclear Prairie Island da Xcel Energy, em Red Wing, Minnesota.

O projeto anunciado faz parte da estratégia do Departamento de Energia para reduzir as emissões de gases de efeito estufa americano usando energia nuclear para gerar energia livre de carbono. Os veículos que usam células a combustível de hidrogênio, por exemplo, produzem apenas vapor d’água e ar quente como escapamento. O hidrogênio também pode ser usado na indústria, como na produção de aço.

Funcionários da Xcel Energy disseram que fornecem aos clientes uma grande quantidade de energia eólica. Autoridades disseram que a Estação de Geração Nuclear de Prairie Island poderia produzir hidrogênio quando a energia eólica atender à demanda dos clientes por eletricidade. Autoridades disseram que o hidrogênio seria usado inicialmente na usina, mas poderia ser vendido para outras indústrias. De acordo com seu site, a Xcel Energy fornece energia para milhões de residências e empresas em oito estados do oeste e meio-oeste e tem a meta de ser 100% livre de carbono até 2050.

Tim O’Connor(foto principal), diretor de geração da Xcel Energy, em um comunicado. O esforço planejado na planta de Minnesota “Agora seremos a primeira empresa a produzir hidrogênio livre de carbono em uma usina nuclear usando essa tecnologia.”  O esforço planejado na planta de Minnesota usará um processo chamado eletrólise a vapor de alta temperatura. A água é composta por três átomos: um oxigênio e dois hidrogênio. O projeto proposto usaria o vapor e a eletricidade da Estação de Geração Nuclear de Prairie Island para dividir a água e separar o hidrogênio. O Laboratório Nacional de Idaho ajudará nos aspectos técnicos do projeto.

O Departamento de Energia disse que espera que o resultado seja uma usina de hidrogênio em funcionamento, capaz de operar como um sistema híbrido que também pode testar tecnologias de eletrólise. Richard Boardman(foto a esquerda), do Departamento de Energia, em um comunicado, afirmou que “Isso é uma virada de jogo tanto para a energia nuclear quanto para a produção de hidrogênio livre de carbono para várias indústrias. Ele oferece uma visão das estruturas de energia do futuro, que integrarão sistemas para maximizar o uso de energia, a lucratividade do gerador e a confiabilidade da rede, ao mesmo tempo que minimiza as emissões de carbono.

 O hidrogênio é abundante no meio ambiente e é armazenado na água, metano e matéria orgânica. O principal desafio é extraí-lo economicamente e ser competitivo no mercado. A maior parte do hidrogênio produzido atualmente no país vem da combinação de vapor de alta temperatura com gás natural. Autoridades dizem que o hidrogênio produzido pela energia nuclear tem a vantagem de ser livre de carbono. Isso se opõe aos combustíveis fósseis, como gás natural, carvão e petróleo, que produzem gases de efeito estufa que causam o aquecimento global.

O Departamento de Energia afirma que quase todo o hidrogênio produzido nos Estados Unidos é usado para refinar petróleo, processar alimentos, produzir fertilizantes ou tratar metais. De acordo com a US Energy Information Administration, os Estados Unidos no final de 2019 tinham 96 reatores nucleares comerciais em operação em 58 usinas nucleares em 29 estados. Eles produzem cerca de 20% da eletricidade do país. A maioria dos reatores tem décadas e alguns estão enfrentando dificuldades para competir economicamente com outras formas de produção de energia.

 

 

 

Fonte: Petro Notícias


139 queries in 3,405 seconds