-->
Home | Oil & Gas | Exxon mira saída do Mar do Norte britânico após 50 anos, dizem fontes
Postado em 13 de agosto de 2019 | 18:57

Exxon mira saída do Mar do Norte britânico após 50 anos, dizem fontes

A Exxon Mobil está considerando sair do Mar do Norte britânico após mais de 50 anos de presença na bacia de óleo e gás, à medida que foca na produção de “shale” nos Estados Unidos e em novos projetos.

A maior petroleira com ações listadas em bolsa do mundo tem mantido conversas com alguns operadores no Mar do Norte nas última semanas para avaliar o interesse por alguns ou todos seus ativos, o que poderia levantar até 2 bilhões de dólares, segundo três fontes da indústria com conhecimento do assunto.

A Exxon recusou-se a comentar.

Deixar o Mar do Norte marcaria um importante recuo da Exxon na Europa, uma vez que a empresa com sede em Irving, no Texas, já colocou à venda ativos offshore na Noruega.

O movimento seguiria-se a iniciativas similares de rivais nos EUA, como Chevron e ConocoPhillips, que mais cedo neste ano venderam o grosso de suas operações no Mar do Norte.

As operações da Exxon são administradas por meio de uma joint venture 50/50 com a Royal Dutch Shell, conhecida como Esso Exploração e Produção UK, e inclui participações em quase 40 campos de petróleo e gás.

A Shell recusou-se a comentar.

A Exxon produz cerca de 80 mil barris de petróleo e 441 milhões de pés cúbicos de gás por dia no Mar do Norte britânico, segundo informações de seu site.

A empresa tem produzido gás desde 1968 e petróleo desde 1976 no campo de Brent, que deu nome para o contrato de referência global do petróleo.

Se as discussões diretas com potenciais compradores não tiverem resultados, a Exxon irá considerar a contratação de um banco externo para realizar um processo formal de venda, disseram duas das fontes.

Fonte: Reuters


140 queries in 3,136 seconds