-->
Home | Oil & Gas | Aumento do preço do diesel faz caminhoneiros recorrerem a aplicativo para driblar reajuste
Postado em 29 de agosto de 2023 | 17:10

Aumento do preço do diesel faz caminhoneiros recorrerem a aplicativo para driblar reajuste

O valor foi reajustado na última semana em R$ 0,78 — uma alta de 26%; com 50 mil motoristas cadastrados e validados, o aplicativo “OJO Motorista” conecta caminhoneiros autônomos, transportadoras e indústrias.

O preço do diesel nos postos de combustíveis apresentou um aumento de 10,06% no período de 14 a 20 de agosto, em comparação com a semana anterior (07 a 13 de agosto), com valor médio de R$ 5,874 por litro — variação de R$ 0,537.

As informações constam do levantamento feito pela ValeCard, empresa especializada em soluções de mobilidade, com base em transações realizadas em mais de 25 mil estabelecimentos credenciados em todos os estados do Brasil.

REAJUSTE DO DIESEL

No dia 15 de agosto, a Petrobras anunciou um aumento de R$ 0,78 no preço do litro do diesel para as distribuidoras, com vigor a partir do dia 16 de agosto.

“O aumento não foi repassado pelos postos de forma integral, pois os estoques foram comprados das distribuidoras com os preços antigos. Por isso, podemos ter novos reajustes nos próximos dias”, disse Brendon Rodrigues, Head de inovação e portfólio na ValeCard.

ALTERNATIVAS PARA CONTER AUMENTO DE PREÇOS

Com o aumento de R$ 0,78 no preço do diesel — alta de 26% —, caminhoneiros estão recorrendo a aplicativos para encontrar postos com o preço ainda sem o reajuste.

“Milhares de caminhoneiros cadastrados no nosso aplicativo trocaram informações em tempo real, em busca de postos onde pudessem abastecer no valor antigo. Isso em todo Brasil”, explicou João Rigueiral, da startup OJO.

Com 50 mil motoristas cadastrados e validados, o aplicativo OJO Motorista, por exemplo, faz a conexão entre caminhoneiros autônomos, transportadoras e indústrias, a fim de permitir a contratação de fretes de forma mais rápida e segura.

“É a única saída para quem tem frete contratado, pois o combustível representa metade do custo do frete, ou seja, de cara, a perda é de algo em torno de 13% no valor acordado para o transporte”, ressaltou.

 

 

Fonte: Mundo Logística


103 queries in 6,004 seconds