-->
Home | Jornal Multimodal | Seca impactará a agricultura na região Centro-Sul
Postado em 10 de janeiro de 2022 | 18:01

Seca impactará a agricultura na região Centro-Sul

O secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Guilherme Bastos, disse que a seca no Centro-Sul do Brasil já é mais intensa e deve gerar resultados mais impactantes para a produção agrícola do que os registrados na safra passada, quando ocorreu episódio semelhante de escassez de chuva impediu números melhores nas safras de soja e milho.

O próximo levantamento de safra da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), com divulgação prevista para a próxima semana, deve mostrar apenas parte desse impacto, que pode ser 10 milhões de toneladas de soja a menos do que o estimado anteriormente devido às perdas nos estados do Paraná e Rio Grande do Sul, principalmente.

“A seca está muito mais forte e os impactos serão piores que no ano passado”, disse o secretário ao Valor. A avaliação é que o milho foi mais afetado na safra passada e que o problema está mais concentrado e sem capacidade de recuperação total na soja. “As chuvas previstas para janeiro provavelmente não serão suficientes para amenizar essa pausa”, disse.

As perdas com milho na primeira safra devem ser compensadas pelo aumento da área plantada, impulsionado pelos bons preços dos cereais. Na soja, o bom estado das lavouras do Centro-Oeste e do Matopiba (confluência entre os estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia) pode compensar parte das quedas. O que pode prejudicar o desempenho e a produtividade nessas regiões é a falta de luz devido às chuvas e um grande número de dias nublados consecutivos.

“Ainda podemos ter uma safra maior que a do ano passado se o resto do país tiver um bom desempenho, pois foi cultivado com muita tecnologia e tem um bom suporte. Isso é o que pode aliviar essa queda ”, disse Bastos. Segundo ele, havia potencial para colher até 150 milhões de toneladas de soja na safra 2021/22. A perda com o impacto ainda está indefinida.

Bastos disse que o levantamento de janeiro da safra de grãos da Conab foi feito “sem a máxima expressão do problema” devido à forte deterioração das condições da safra nos últimos dias. O secretário confirmou que uma delegação de Brasília, com a presença da ministra da Agricultura, Tereza Cristina e integrantes do Banco Central e do Ministério da Economia, visitará os quatro estados mais afetados na próxima semana.

Estão sendo realizadas reuniões diárias em Brasília e por videoconferência para avaliação da situação, levantamento de números e planejamento de ações. Nesta sexta-feira, a equipe técnica do governo se reunirá com empresas que atuam com seguradoras rurais e financeiras. Um dos focos é avaliar a capacidade de pagamento dos produtores afetados e a necessidade de uma renegociação mais ampla, principalmente das operações com taxas de juros subsidiadas, que são mais restritas.

“Se houver necessidade de alguma orientação nesse sentido, alguém deixará de receber recursos nas linhas do Plano de Safra que ainda não se esgotaram totalmente. Ainda há recursos a serem alocados, mas que podem ser realocados para atender a uma eventual renegociação ”, explicou.

Os ministérios ainda não decidiram sobre a concessão de crédito emergencial ou alongamento de dívidas e parcelas de financiamento, que dependerão de avaliações mais precisas dos sinistros no campo. O “conforto” é que a maioria dos produtores possui seguro rural e Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (PROAGRO) ou já é amparado pelo Manual do Crédito Rural para fazer renegociações.

“O problema é avaliar quem está a descoberto ou que tem problema com o endividamento da safra passada, quando já havia um problema. É esse dimensionamento que estamos fazendo ”, ponderou Bastos. Também existe a preocupação com atividades que não contratam seguro rural, como a pecuária leiteira. “Teremos que olhar para este setor com algum carinho.”

O novo episódio de seca deve estimular medidas estruturais na política agrícola. Uma é ampliar a obrigatoriedade de contratação de seguro rural ou PROAGRO. Hoje, recursos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF) e do Programa Nacional de Apoio ao Médio Agricultor (PRONAMP) de até R $ 350 mil devem vir acompanhados de algum instrumento de mitigação de riscos. A intenção é elevar um pouco a marca e atingir mais pessoas. Fonte do governo afirmou que as ativações do PROAGRO na região Noroeste do Rio Grande do Sul já somam cerca de R $ 600 milhões.

O ministério também estuda formas de aprimorar a assistência técnica e extensão rural em áreas afetadas pelo clima, como forma de entender o perfil dos produtores, se utilizam mitigadores de risco ou se é hora de mudar de cultura. Uma terceira alternativa é combater os entraves legais criados pelo Ministério Público Estadual, como no Rio Grande do Sul, que dificultam o avanço da irrigação ou a construção de barragens e barragens em propriedades rurais. “Precisamos desbloquear isso, caso contrário, será um problema recorrente.”

Fonte: O Petróleo


138 queries in 3,354 seconds