-->
Home | Jornal Multimodal | Porto de Brisbane: boas práticas entre o público e o privado
Postado em 22 de agosto de 2019 | 18:02

Porto de Brisbane: boas práticas entre o público e o privado

O Porto de Brisbane (PBPL), localizado no subúrbio da cidade de Brisbane, capital do estado australiano de Queensland, recebeu a visita da comitiva brasileira, liderada pelo secretário Nacional de Portos, Diogo Piloni. O presidente da CODESA, Julio Castiglioni, o diretor Bruno Fardin e a coordenadora de Marketing do Porto de Vitória, Raquel Guimarães, além do diretor do Porto de Santos, Danilo de Morais Veras, do gerente de Regulação, Gabriel Rapoport Furtado, e do conselheiro Daniel Rodrigues Audigueri, integram o grupo que percorre alguns portos da Austrália para conhecer as melhores práticas de gestão portuária.

Brisbane foi o primeiro porto australiano a ser privatizado. A MSQ (órgão público do Estado) é a Autoridade Portuária de todos os portos de Queensland.

A agenda em Brisbane iniciou com a recepção do CEO Roy Cummins. O dirigente do porto, privatizado em 2010, fez uma apresentação inicial destacando que o PBPL é altamente segmentado, com áreas planejadas para diversos tipos de operações, disponibilizando, ainda, áreas para expansão. Entre as atribuições que eram da antiga Autoridade Portuária Pública, e que agora são gerenciadas pela PBPL, está a dragagem do canal, feita por maquinário próprio do porto e paga pelos arrendatários. O PBPL cobra pelo uso do canal, da infraestrutura e dos acessos.

Autoridade Portuária

Cummins explicitou que, em sua política de preços, o Porto de Brisbane privilegia a inteligência tarifária e o constante monitoramento dos anseios do mercado. “O contato próximo do porto com seus arrendatários, e também a interlocução com o Estado, caracteriza o foco de mercado do PBPL. Acordos garantem a manutenção das conexões e acessos entre porto, estradas e ferrovias”, explicou o CEO. Segundo ele, ainda há obrigações públicas, hoje concentradas no MSQ que reúne atribuições de harbour master, segurança marítima (safety) e regulação. A praticagem, apesar de privada, é gerenciada pela MSQ.

Durante a visita marítima coordenada pelo CEO Cummins, pelo COO (Chefe de operações) Peter Keyte e pelo gerente de relações institucionais Brendan Connell, foi feita uma apresentação detalhada das operações e vantagens competitivas do porto, com “viés de mercado apurado”. Questionamentos do grupo sobre a experiência de Brisbane durante e após o processo de privatização, enfrentado em 2010, foram respondidos no detalhe pelo time, tornando a visita técnica dinâmica e proveitosa.

A próxima parada da comitiva é na cidade de Melbourne. A visita técnica aos portos da Austrália termina nesta sexta-feira (23).

Fonte: CODESA


143 queries in 2,777 seconds