-->
Home | Jornal Multimodal | China volta a produzir muito milho
Postado em 11 de janeiro de 2022 | 22:23

China volta a produzir muito milho

Gigante asiático aumentou sua pordução em 12% em relação ano anterior. A produção de milho da China está dando sinais de crescimento após um hiato de cinco anos, aponta reportagem do portal especializado The Western Producer. O país produziu 273 milhões de toneladas de milho em 2021, segundo estimativas oficiais do governo chinês divulgadas recentemente.

Isso representa um aumento de 12% em relação à produção do ano anterior, marcando um retorno ao forte caminho de crescimento que existia antes de 2015, de acordo com o autor Dim Sums. Há sete anos os agricultores chineses vinham produzindo aumentando exponencialmente suas safras de milho, o que levou o Ministério da Agricultura a implementar na época uma iniciativa de “ajuste estrutural do lado da oferta” destinada a reduzir a produção de milho em favor de outras culturas, como feijão, grãos e culturas forrageiras.

“Esse plano foi convenientemente esquecido depois de vários anos de leilões de milho esvaziarem os armazéns e os preços do milho dispararem em 2020”, afirma Sums. A China se tornou um grande importador, algo com o qual os países exportadores contavam por muitos e muitos anos antes de finalmente ocorrer.

O país importou 26 milhões de toneladas de milho nos primeiros 10 meses de 2021. Isso é mais que o triplo das 7,8 milhões de toneladas compradas no mesmo período do ano passado. É uma das principais razões por trás do rali de 2021 nos mercados de grãos e oleaginosas.

No entanto, o governo chinês agora voltou a incentivar ativamente a produção de milho. O presidente chinês Xi Jinping parece estar preocupado com um possível embargo de alimentos dos Estados Unidos. “Não devemos deixar que outros se tornem um gargalo para a questão básica de sobrevivência nacional”, disse Jinping em um comunicado recente.

Os agricultores chineses plantaram 107 milhões de acres de milho neste outono, apenas quatro milhões de acres abaixo do pico de 2015 e que produziu o enorme excesso da safra, disse The Western Producer.

No entanto, o analista da MarketsFarm, Bruce Burnett, não está preocupado com o retorno da China ao seu antigo status de ter reservas governamentais transbordantes da safra que pesou para baixo os preços mundiais do milho. “Não vejo isso como um superávit permanente que vai pairar sobre os mercados”, disse ele.

Isso ocorre porque a demanda chinesa por milho continua a crescer em ritmo constante devido à crescente população do país e à melhoria das dietas. “Eu simplesmente não vejo isso como uma característica permanente aqui, onde a China meio que foge e não compra milho do mercado internacional”, conclui Burnett.

 

 

 

Fonte: O Petróleo


141 queries in 3,666 seconds