-->
Home | Jornal Multimodal | Carrefour adota práticas sustentáveis nos serviços de logística
Postado em 21 de outubro de 2020 | 17:27

Carrefour adota práticas sustentáveis nos serviços de logística

Meta é descarbonizar seus negócios e reduzir as emissões de CO2 dos produtos vendidos em suas lojas em 20 megatons até 2030.

O Grupo Carrefour está investindo em ações para aumentar a eficiência em logística e com isso mudar a matriz energética da sua frota.  A ideia é descarbonizar seus negócios e reduzir as emissões de CO2 dos produtos vendidos em suas lojas em 20 megatons até 2030. A estratégia faz parte do programa de neutralização de carbono da companhia no Brasil e já traz resultados. De acordo com a empresa, comparando o primeiro semestre de 2020 e 2019, houve uma redução de 17% na tonelagem de CO2 emitido na distribuição de mercadorias.

A rede varejista informa ainda que a revisão de processos para aumentar a eficiência nos transportes proporcionou a redução da quilometragem rodada, o aumento do volume expedido por veículo e, consequentemente, um número menor de viagens. Em 2019, por exemplo, a rota de São Paulo a Manaus começou a ser realizada via cabotagem, evitando-se 203 mil km rodados em estradas. Já na rota de São Paulo ao estado de Pernambuco foi adotado o Rodotrem, implemento com maior capacidade de carga.

Ajustes na logística, com a expedição direta entre Centros de Distribuição (CD) nos estados de Pernambuco, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e para o Distrito Federal, bem como a melhor ocupação e acomodação da carga nos CDs, também implicaram em maior eficiência. A alteração no perfil dos veículos para abastecer a loja Pamplona, em São Paulo, é outro exemplo de aumento da produtividade. O trabalho consistiu empregar nove veículos de pequeno porte e um de grande porte –  a operação passou a ser feita por cinco de porte grande e apenas um de pequeno porte. Esse modelo gerou maior aproveitamento dos transportes e, portanto, menos viagens.

A tecnologia também é uma aliada do Grupo Carrefour Brasil para a diminuição dos gases poluentes na operação. Para reduzir a dependência de energias fósseis, a companhia adotou o Gás Natural Liquefeito (GNL). Dois caminhões ecológicos, que emitem 15% menos CO2 que a versão a diesel, estão circulando desde julho e atendem lojas da capital paulista e interior do estado.

A partir deste outubro, dois veículos 100% elétricos, equipados com uma bateria de 97 kWh, com 250km de autonomia e zero de poluição, começarão a rodar com a bandeira do Carrefour. Além de não emitirem CO2, também não provocam vibração ou ruídos, colaborando para redução da poluição sonora. O grupo também busca parcerias para a utilização de agrocombustíveis como o biometano, cuja redução de gases poluentes pode chegar a 90%, mas ainda não está disponível em larga escala no mercado.

O head de Sustentabilidade do Grupo Carrefour Brasil, Lucio Vicente, diz que o aumento de produtividade na logística é fundamental para reduzir a pegada de carbono na operação e colaborar para conter as mudanças climáticas. “A adoção de transportes com alimentação alternativa e de outros modais como a cabotagem, que respeitem o meio ambiente, também é uma transformação que começamos a viabilizar”, completa.

Outra frente para assegurar a sustentabilidade em logística é a neutralização de emissão de CO2. O grupo tem mitigado os gases de efeito estufa de sua operação, por meio de projetos ecossistêmicos que englobam reflorestamento e proteção da biodiversidade, piscicultura, apicultura e educação ambiental. Apenas no primeiro semestre de 2020, houve 100% de compensação do CO2 emitido na operação de perecíveis de São Paulo, o equivalente a cerca de uma tonelada do gás.

“A meta é alcançar de 30 a 40% de redução de emissões logísticas, apenas com o sequestro de carbono”, informa o diretor Executivo de Supply Chain do Grupo Carrefour Brasil, Marcelo Lopes. O executivo completa dizendo que a longo prazo a companhia planeja ter infraestrutura para transformar resíduos de alimentos das lojas em biomassa para combustível da nossa frota, o que seria um ganho também no aspecto da economia circular.

 

 

Fonte: Tecnologistica


140 queries in 6,484 seconds