-->
Home | Jornal Multimodal | Argentina pode ser a porta de entrada das startups brasileiras na América Latina, diz diretor de ONG argentina de empreendedorismo
Postado em 10 de outubro de 2017 | 17:47

Argentina pode ser a porta de entrada das startups brasileiras na América Latina, diz diretor de ONG argentina de empreendedorismo

A Argentina pode ser a porta de entrada para empresas que querem operar na América Latina. A avaliação é do diretor da ONG argentina de apoio ao empreendedorismo Emprear, Leo Davies. Ele participou, nesta segunda-feira, de um seminário da semana de internacionalização de startups em Buenos Aires promovido pelo MDIC, Apex-Brasil e Sebrae, com apoio da Anprotec e da ABStartups.

Davies explicou aos representantes das 13 startups que integram a missão que, por se tratar de um país organizado em pequenas províncias, a Argentina é um mercado estratégico para quem quer atuar no continente latino-americano. “Nosso país pode ser o primeiro destino, antes de mercados mais complexos como México, Colômbia e Peru”, explicou.

Ele também apontou duas outras oportunidades para startups que desejam se instalar no país: o capital humano, segundo ele, altamente qualificado e o ecossistema empreendedor. “Como temos cidades relativamente pequenas, as possibilidades de se diferenciar e empreender são muito maiores”, explicou.

Lei Pyme

De tarde também foi apresentado um panorama da Lei de Pymes, que trata das pequenas e médias empresas argentinas. A regra, que entrou em vigor em julho do ano passado, foi desenvolvida pelo governo em conjunto com o setor produtivo para reaquecer a economia e a geração de emprego nas empresas de pequeno porte.

Gustavo Perez, do Ministério da Produção da Argentina, explicou que a Lei de Pymes estabelece um novo marco tributário para as empresas, oferece um programa de recuperação produtiva para as instituições em crise e aprimora instrumentos financeiros da legislação argentina.

“Periodicamente revisamos nossa definição do que é uma micro ou pequena empresa, estabelecendo valores distintos de faturação dependendo do setor econômico em que estão inseridas. Uma pequena empresa agropecuária não fatura o mesmo tanto que uma pequena empresa do comércio”, explicou.

Também se apresentaram para os empreendedores brasileiro Juan Barrero, da consultoria de gestão de pequenas e médias empresas Barrero & Larroudé; Federico Storni, fundador da Quadminds, que oferece soluções tecnológicas para otimização de negócios; e Manuel Tanoira, do escritório de advocacia Tanoira Cassagne.

Fonte: MDIC

Deixe um comentário:

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*


133 queries in 2,948 seconds