-->
Home | Jornal Multimodal | 2020 foi o pior ano da história da carga aérea mundial, diz IATA
Postado em 3 de fevereiro de 2021 | 18:13

2020 foi o pior ano da história da carga aérea mundial, diz IATA

A Associação Internacional do Transporte Aéreo (IATA, em inglês) divulgou nesta quarta-feira (3), os resultados finais da demanda global de carga aérea em 2020. De acordo com a organização, após a consolidação dos dados de dezembro, os números foram os piores já registrados desde que a IATA começou a fazer essa medição, em 1990.

Ao longo do ano, a demanda por carga aérea caiu 10,6% na comparação com 2019. O índice é maior do que a queda no comércio mundial de mercadorias, que recuou 6% no ano passado. Ao considerar apenas as movimentações internacionais, a queda da demanda foi 11,8%.

As companhias aéreas dos Estados Unidos e do continente africano apresentaram os melhores resultados. Nas duas regiões, as transportadoras apresentaram aumento da demanda de 1,1% e 1%, respectivamente. Todo o restante do planeta teve desempenho negativo. A demanda internacional caiu em todas as regiões, com exceção da África, que registrou um aumento de 1,9% em 2020 em comparação com o ano anterior.

Capacidade

A capacidade das aeronaves para o transporte de cargas, medida em toneladas/km de carga disponível (ACTKs), diminuiu 23,3% em 2020 em relação ao ano anterior. O índice é mais do que o dobro da contração na demanda. Apenas nos voos internacionais, a queda foi 24,1%.

A IATA informa que, devido à falta de capacidade disponível, as taxas de utilização das aeronaves por carga aumentaram 7,7 pontos percentuais em 2020 e terminaram o ano em 54,5%. Isso contribuiu para aumentar os rendimentos e as receitas, em um cenário de forte retração na movimentação de passageiros.

Dezembro

Apesar dos números negativos, houve leve recuperação no fim do ano. Em dezembro, a queda na demanda foi de apenas 0,5% em relação ao ano anterior. No entanto, a capacidade global regrediu 17,7%, resultado da drástica redução das aeronaves em operação. A ocupação das aeronaves subiu 9,9 pontos e ficou em 57,3%.

A recuperação do frete aéreo, contudo, é prejudicada pela paralisação a aviação de passageiros. Para Alexandre de Juniac, Diretor-geral e CEO da IATA, o setor de carga está passando pela crise com melhor desempenho do que os de passageiros.

“Para muitas companhias aéreas, em 2020 viu a carga aérea se tornar uma fonte vital de receitas, apesar da demanda enfraquecida. Mas com grande parte da frota de passageiros parada, atender a demanda sem capacidade máxima continua sendo um enorme desafio”, esclarece o executivo.

O diretor não está otimista em relação ao segmento neste ano, face ao avanço da pandemia no mundo. “À medida que os países fortalecem as restrições às viagens contra as novas variantes do coronavírus, é difícil ver melhorias na demanda de passageiros ou na redução da capacidade. 2021 será outro ano difícil”, finaliza.

Confira o desempenho da carga aérea mundial por região.

ANO DE 2020 Participação de mercado Demanda Capacidade Ocupação (Variação) Ocupação total
Mercado Total 100% -10,6% -23,3% 7,7% 54,5%
África 2,1% 1,0% -17,3% 8,0% 44,2%
Ásia-Pacífico 32,8% -15,2% -27,4% 8,8% 61,2%
Europa 22,2% -16,0% -27,1% 7,9% 59,7%
América latina 2,4% -21,3% -35,0% 7,4% 42,5%
Médio Oriente 13,1% -9,5% -20,9% 6,7% 53,4%
América do Norte 27,4% 1,1% -15,9% 8,0% 47,5%

 

 

 

 

Fonte: IATA

 


146 queries in 3,697 seconds