-->
Home | Highlights | Projeto piloto de exportação de castanha da Bolívia inicia no Porto Público de Porto Velho
Postado em 22 de agosto de 2017 | 18:49

Projeto piloto de exportação de castanha da Bolívia inicia no Porto Público de Porto Velho

A primeira carga com 17 toneladas de castanha produzida na Bolívia será enviada nesta semana para Amsterdam (Holanda) através do Porto Público de Porto Velho.
Leia Mais
Vídeo: Tudo pronto para segunda etapa do 26º Interdistrital de Esporte 2017
Calama
Vídeo: Tudo pronto para segunda etapa do 26º Interdistrital de Esporte 2017
Presidente da Ameron divulga ações no Estado
Justiça
Presidente da Ameron divulga ações no Estado
Em Porto Velho, vacina contra HPV está provisoriamente disponível para faixa etária de 15 a 26 anos de idade
Saúde
Em Porto Velho, vacina contra HPV está provisoriamente disponível para faixa etária de 15 a 26 anos de idade
Barcos com jogadores e equipe da Semes seguem para Calama
26º Interdistrital
Barcos com jogadores e equipe da Semes seguem para Calama

Segundo o empresário e operador portuário da BDX Florestas, Dário Lopes, a carga é um projeto piloto que segue os mesmos moldes da exportação de madeira realizada em Março deste ano. “O restabelecimento da parceria com o país vizinho permitirá que os bolivianos adotem esse corredor de exportação, utilizando a estrutura portuária na Capital para conquistar mercados internacionais uma vez que no formato antigo, toda essa carga teria que percorrer 1.700 quilômetros até o porto de Arica, no Chile ou 2.700 para o porto de Matarani, no Peru, além do risco de cruzar os Andes, com carga limitada”, explica.

O diretor presidente da Sociedade de Portos e Hidrovias do Estado de Rondônia (SOPH), Leudo Buriti, explicou que a integração com os países da América do Sul só é possível porque é uma política pública do Governo do Estado e há infraestrutura portuária e a logística capaz de atender com eficiência a importação e exportação de cargas diversificadas movimentadas no Porto Público da capital. “Dispomos de um porto alfandegado que garante maior agilidade no processo aduaneiro, galpões e pátios disponíveis para novas operações; além de áreas para arrendamento disponíveis”, descreve Leudo.

Fonte: Rondônia Agora

Deixe um comentário:

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*


151 queries in 3,728 seconds