-->
Home | Highlights | Caoa quer investir em caminhões da Hyundai na fábrica da Ford
Postado em 10 de abril de 2019 | 18:49

Caoa quer investir em caminhões da Hyundai na fábrica da Ford

O Grupo Caoa está prestes a confirmar a compra da fábrica da Ford em São Bernardo do Campo (SP). E a oficialização do negócio virá acompanhada de outro anúncio: a empresa brasileira pretende montar a linha de caminhões pesados Xcient, da Hyundai, segundo informou fontes ligadas à negociação.

O novo produto para o mercado brasileiro faria companhia na futura unidade da Caoa aos caminhões leves da Ford, da linha Cargo, já produzidos no local.

O modelo que pode marcar a entrada da Hyundai no segmento de transporte pesado no Brasil é o cavalo-mecânico P440, que brigaria por clientes com Mercedes-Benz, Volkswagen, Scania, Volvo, entre outras.

“A Caoa já atua no segmento de veículos comerciais, com a produção dos leves HR e HD80 em Anápolis (GO), e estudava operar também com veículos semipesados e pesados.

Recentemente circularam fotos na internet de unidades Xcient P440 e do leve Mighty estacionados no pátio da fábrica destinado à modelos importados.

A compra da unidade da Ford no ABC paulista atenderia aos planos da empresa brasileira de transformá-la numa plataforma de exportação da linha de caminhões da Hyundai para a América do Sul, além de abastecer o mercado brasileiro.

A linha Hyundai Xcient foi lançada na Coreia do Sul em 2013. Inicialmente, o objetivo da montadora sul-coreana era atender países europeus, além do mercado doméstico.

Mas o plano foi expandido e já está presente em países do Mercosul. É vendida no Uruguai e Paraguai, países nos quais o Brasil mantém acordos bilaterais de comércio.

Se forem mesmo oferecidos por aqui, os caminhões da Hyundai enfrentarão rivais consolidados. Entre os principais estão a linha Atego, da Mercedes-Benz, no caso dos semipesados, e FH, da Volvo, entre os pesados.

Experiência Hyundai no Brasil
O Caoa já é o representante oficial da Hyundai no Brasil, produzindo os SUVs ix35 e Tucson, além de importar o Elantra e o Santa Fe. O grupo também detém a importação de veículos japoneses da Subaru. Também é o maior distribuidor da marca Ford na América Latina.

No fim de 2017, comprou parte das operações da Chery no Brasil. Com isso, incorporou a fábrica da marca chinesa em Jacareí (SP).

De lá para cá, já lançou quatro modelos da nova marca Caoa Chery no mercado nacional. São eles os SUVs Tiggo 2, Tiggo 5X e Tiggo 7 e o sedã Arrizo 5.

O resultado é que a Caoa Chery foi a marca que mais cresceu no país em 2018. Foram 8.640 unidades vendidas no ano passado, ente 3.734 em 2017, uma alta de 131%.

De olho no México
De acordo com o Jornal do Carro, o Grupo Caoa deverá assumir o controle da fábrica de São Bernardo do Campo em dezembro. Já de olho na oportunidade de negócios que se abrirá em julho de 2020, quando começa a vigorar o acordo de livre comércio de produtos entre Brasil e México.

A indústria brasileira de caminhões está num patamar acima ao da mexicana, produzindo modelos com nível de tecnologia e sofisticação similares aos que circulam na Europa. A exportação entraria como a menina dos olhos para o grupo gerenciado pelo médico e fundador Carlos Alberto de Oliveira Andrade, daí surgiu a abreviatura Caoa.

Mercado de caminhões em alta
Vale destacar que o segmento de caminhões está em franca recuperação, sobretudo na categoria de semipesados e pesados, que contabilizou no primeiro trimestre deste ano 75% das vendas no setor de caminhões no país, conforme os dados da Fenabrave (associação que reúne as concessionárias no Brasil).

Soma-se ainda o fato de que veículos desses segmentos representam uma receita maior para as fabricantes, apesar de movimentar menos unidades que a de carros, por exemplo.

No ano passado foram emplacados 76,4 mil caminhões no Brasil, um salto de 46,8% comparado ao ano anterior, que licenciou 52 mil. Para 2019, a Fenabrave projeta um crescimento de 15,4%, atingindo um total de 88 mil unidades comercializadas.

A Mercedes-Benz fechou 2018 como líder nas vendas de caminhões, com 22,3 mil exemplares negociados, o que representou 29,2% de participação no mercado. Em seguida ficou a Volkswagen, com 18,8 mil caminhões e 24,6% da fatia. A Volvo apareceu em terceiro, com 10,6 mil (13,9%), à frente da Ford, 9,3 mil (12,2%), e Scania, 8,6 mil (11,3%).

Fonte: Gazeta do Povo


164 queries in 4,087 seconds