-->
Home | Anote | Turkish Airlines quer se tornar a sétima maior empresa aérea do mundo
Postado em 21 de novembro de 2023 | 17:03

Turkish Airlines quer se tornar a sétima maior empresa aérea do mundo

A companhia aérea nacional da Turquia, Turkish Airlines, firmou um acordo durante o Dubai Airshow para comprar 355 aeronaves da fabricante europeia de aeronaves Airbus e uma encomenda também grande deve ser feita junto à Boeing. Com isso, a empresa espera alcançar um novo patamar em sua operação.

A entrega do primeiro avião do novo acordo com a Airbus está prevista para 2026, disse Ahmet Bolat, presidente do conselho de administração da Turkish Airlines. “Pretendemos adquirir 355 aeronaves, sendo 240 em caráter definitivo e 114 em caráter facultativo. As primeiras entregas são esperadas em 2026”, disse Bolat, segundo o jornal Hurriyet.

Segundo ele, graças à implementação do projeto, a Turkish Airlines, juntamente com suas subsidiárias Ajet e Sunexpress, aumentará a frota de aeronaves para 950 aviões e entrará nas sete maiores transportadoras aéreas do mundo.

“Existem três grandes companhias aéreas nos EUA: United, American e Delta. As transformações estão ocorrendo na Ásia, e ainda não se sabe quantas deixarão o mercado e permanecerão. Há outras três grandes empresas chinesas. Lufthansa e Air France ficaram para trás. Vamos entrar entre os sete maiores gigantes do transporte aéreo“, disse o chefe da Turkish Airlines.

A Turkish Airlines foi fundada em 1933 para voos domésticos. Em 1947, ocorreu seu primeiro voo internacional regular. Com sede no Aeroporto Internacional de Istambul, a companhia aérea opera voos regulares para mais de 200 aeroportos estrangeiros em 120 países e é considerada uma das maiores do mundo.

A agência internacional de análise Brand Finance reconheceu anteriormente a companhia aérea como a marca mais cara da Turquia, estimando seu valor em US$ 1,6 bilhão. A frota da transportadora é composta por mais de 400 aeronaves, que são representadas principalmente pelos mais modernos modelos de Airbus e Boeing.

 

 

 

Fonte: Aeroin


98 queries in 9,990 seconds